MENU

WordPress: o que é, como funciona e quando utilizar

Mesmo não sendo da área de desenvolvimento web, aposto que em algum momento você já ouviu falar sobre WordPress. Eu venho de uma relação longa de amor e ódio com esse CMS por muitos anos. Amor porque ele funciona, ódio porque ele é extremamente “temperamental”.

Já trabalhei em projetos com e sem a aplicação do WordPress, e acredito que com esse boom de crescimento da presença web num geral e o aumento de pessoas prestando serviços de criação de sites, é muito válido entendermos um pouco melhor o que é e quando vale a pena usar a plataforma.

CMS? O que diacho é isso?

É a abreviação para Sistema de Gerenciamento de Conteúdo (do inglêsContent Management System — CMS). Significa que esse sisteminha vai ser responsável por toda a entrada, edição e exclusão de dados do seu site. Ele vai fornecer a interface e a inteligência para transferir informação para o banco de dados e recuperá-la posteriormente.

E o WordPress, como se encaixa nisso?

O WordPress é uma plataforma baseada nesse conceito que está no mercado a muito tempo (mais de 10 anos) e tem uma base de usuários gigantesca. Muitas otimizações foram feitas no código fonte durante esse tempo e diversos desenvolvedores brilhantes investiram seu tempo no desenvolvimento de temas, plugins, tutoriais e diversos outros recursos que tornam o desenvolvimento de sites uma tarefa quase fácil.

Parece ótimo! Partiu WordPress?

Sim, é uma mão na roda. Mas calma lá, nem tudo são rosas. Existem lados negativos em lidar com algo popular e antigo a esse nível. Pra quem não sabe, o WordPress é feito em PHP Estruturado (run to the hills!). Isso quer dizer que no código fonte não existe distinção muito clara entre a manipulação de dados, regras de funcionamento da página e gerenciamento do template visual da coisa.Você lida com HTML no meio de PHP, com uma QUERY de banco de dados no meio de tudo. Esse era o padrão a muitos anos atrás, já existem formas bem mais evoluídas de fazer isso.

Além disso, o próprio banco de dados do WordPress tem algumas coisas bem esquisitas. Fique avisado de que fuçar por lá sem saber o que você está fazendo não é uma boa ideia. Backups são. Não só uma ótima ideia, mas uma coisa sobre a qual você se torna um tanto quanto neurótico, depois da primeira vez na qual você faz uma cagada e não tem como restaurar seu trabalho anterior.

Beleza, backups! Mas tem muita coisa pronta, isso é bom, certo?

Já falamos sobre os desenvolvedores maravilhosos que compartilham seu trabalho e tornam nossa vida mais fácil. Obrigada galera! De coração. ♥
Mas vamos usar o bom senso (e a experiência), aqui. Os coders bons são raros e não é fácil reconhecer o que é recurso de qualidade quando você não é especialista na linguagem.

Trabalhando com WordPress você enfrenta mais esse obstáculo: Códigos de terceiros. Eles te salvam da mão de obra e dor de cabeça de codificar coisas do zero, mas em compensação podem trazer um monte de sujeira (e até código malicioso) para o seu site.

Por isso, não vamos sair num frenesi de instalação cega de plugins e temas, combinado? Existem vários indicativos de recursos de qualidade que podem ser observados antes de sair testando tudo, alguns são:

  • Classificação no diretório oficial do WordPress
  • Comentários dos usuários atuais
  • Qualidade da documentação disponível
  • Quantidade de usuários ativos
  • Data da última atualização

Além disso, aqui vão algumas dicas para evitar ciladas:

  • Evite ao máximo recursos que não estejam disponíveis no diretório oficial do WordPress
  • Se tiver orçamento, busque recursos premium, especialmente quando se trata de temas
  • Evite a generalização de funções nos plugins. É melhor ter 5 específicos que façam o que se propõe direito, do que um gigantesco e cheio de bugs que só vai te dar dor de cabeça.
  • Pesquise. Sério. A internet está transbordando de informações sobre WordPress, melhores plugins, temas e como resolver erros.

Ok, ok, entendi, vou tomar cuidado. Mais alguma coisa?

Sim! Segurança! Se você vai usar o WordPress, tem que estar ciente de que osataques ao seu site vão acontecer. Não importa se seu site é grande ou não, popular ou desconhecido, os bots não perdoam. O pior é que as vezes você nem sabe que foi invadido até ser tarde demais. Um bom plugin para aprimorar a segurança da sua instalação é imprescindível.

Entenda também que se um hacker bom quiser te invadir, ele vai. Tenha backups(BACKUPS! o_O) frequentes de seus sites e esteja preparado para o pior cenário da maneira que puder. Uma plataforma ser popular também significa que suas brechas de segurança são de conhecimento geral e tão rápido quanto os bloqueios evoluem, as técnicas para quebrá-los acompanham.

Parece muita dor de cabeça! Devo usar o WordPress ou não?

Minha melhor resposta é: depende.

Algumas considerações a serem feitas:

  • Você, ou alguém da sua equipe, tem o conhecimento para lidar com a programação da plataforma, caso seja necessário? Porque em alguma altura do campeonato, provavelmente será.
  • Seu projeto realmente precisa de um CMS? Um site institucional, por exemplo, pode ser facilmente feito na mão. E fica bem mais leve.
  • Você tem tempo e equipe qualificada pra desenvolver esse projeto? Considere usar frameworks mais modernos. A vantagem é que o controle do seu produto fica exclusivamente com você, você sabe como e o que tudo faz dentro do seu código e pode otimizar conforme necessário.

Eu uso WordPress em muitos sites de clientes, pelos seguintes motivos:

  • Instalação e configuração rápida
  • Temas de qualidade, já testados e responsivos, por um preço bem camarada
  • Possibilita que o cliente gerencie as informações do seu próprio site. (uma benção e uma maldição, mas enfim…)
  • Já tenho um modelo pré-estabelecido de estrutura que eu sei que funciona (e muito calo de resolução de erros comuns).

Sou expert em WordPress? Não. Mas entendo bem como todas as linguagens envolvidas na plataforma funcionam. Sei quais são os prós e os contras da situação atual da plataforma e como lidar com os erros inevitáveis que vem de sua utilização.

Estando ciente dos dois lados da moeda, e dos desafios envolvidos no processo, você estará mais preparado para tomar uma decisão quanto a usar ou não essa plataforma.

Ufa, agora acabou?

Acabou. Espero que todos tenham muito sucesso em seus projetos, e que se divirtam e aprendam no processo. Sei que eu vou.

Só um último comentário:

“Error establishing a database connection” — WordPress

 



Sobre a Autora:


Diz aí...

Leave a Comment!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *